quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Esses dias eu vi: Surrogates - Os Substitutos

Imagine ter uma cópia artificial sua, devidamente melhorada (pra que duplicar certas imperfeições?). Imagine poder controlar essa marionete hi-tech a distância, no conforto da sua casa, no melhor estilo Matrix de ser. Imagine poder sentir tudo o que o seu clone, ou substituto sente e experimenta: ir à balada, à praia, transar, pular, etc... Isso tudo estando deitado na sua cama, sem nenhum perigo de ser assaltado e assassinado - se o seu substituto moh-rer, compra-se outro.

Em Os Substitutos a viagem é essa - provavelmente inspirada nos avanços da cibernética, que fez uma macaca na p*** que pariu controlar um robô não sei onde via internet.

A ideia é legal, os efeitos são bons. Mas como uma boa parte dos filmes de ficção científica, do enredo de Substitutos a gente só extrai uma eventual reflexão filosófica ou sociológica sobre tempos futuros, etc: nos transformaremos em preguiçosos na vida real e faremos da existência humana num show virtual e artficial, empobrecido, blá, blá blá...?

Há certas falhas lógicas (98%da humanidade vivendo por trás de um substituto quinze anos depois da sua invenção?) e um certo clichê no sentido de que sempre haverá alguém do contra, se bem que esse alguém do contra não é tão do contra assim (e no fim se descobre que - oops, surpresa! nada era como se esperava...: mas um "nada era como se esperava" tão previsível...). Mas o filme é do bem. Atiça a imaginação: de uma certa forma, o substituto é uma metáfora da perfeição, da segurança, do bem-estar... Vou nem mentir que compraria um se existisse isso.

Assistam, vale a pena. Por exemplo: o substituto do Bruce Wiilis tem cabelo e é uns quinze anos mais joven que o seu"operador" (a pessoa que controla o substituto) - e ainda assim no esquema do filme, é considerado parecido com o original... Quantas rugas a menos, quantos centímetros, quanto de músculo a mais teria seu substituto?

Bem melhor que Dr. Hollywood.

6 comentários:

  1. Vinicius. Também assisti ao substituto e confesso que vi uma certa semelhança ao jogo virtual second life e uma pitada de futurismo com o minority report. Mas como vc comentou o filme é do bem. Eu só acho que eles perderam muito tempo explicando a história para desenvolver uma ação tão sem lógica. Enfim, vale uns caroços de pipoca...

    ResponderExcluir
  2. Achei vc atravez da comu do orkut...
    Interessante como vc escrevr parabens...
    Ainda não assisti a esse filme e realmente nao tenho com opinar...XD

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante mesmo o filme. Assim como o Luigi explanou, é muito provável que Surrogates foi produzido tendo como base principal o jogo Second Life... onde todos podem ser perfeitos e se interagir facilmente com outras pessoas. Tenho uma amiga que, embora muito linda, também gosta de se "esconder" um pouco dentro do Second Life... recomendei o filme pra ela. Muito bom mesmo.

    ResponderExcluir